O   Nó de Pinho      
     O chamado "NÓ de PINHO" é encontrado exclusivamente no Brasil.  O Nó de Pinho é a parte do pinheiro - o segmento do galho embutido no tronco da Araucaria. Suas dimensões variam em função da idade da árvore. 
.     Tem forma cônica e em média mede 30 cms de comprimento e 20 cms de dâmetro ( na parte onde o galho se desprendeu da árvore ).   Caindo o galho, o nó permanece no tronco.
.
   Os nós da Araucaria, são relativamente pesados devido ao fato de estarem impregnados da resina natural do pinheiro. Essa circunstância impede a sua decomposição.  A única forma de desintegraçao do nó ocorre pelo fogo. 
.    Sua chama arde durante várias horas na lareira, poupando ao usuario a frequente reposição da lenha.      Sugerimos experimentar  os feixes de CITRIODORA que igualmente ARDEM LONGAMENTE !,





.Para se obter o máximo de aproveitamento dos "Nós", recomenda-se mistura-los com lenha de eucalipto, obtendo-se assim maior aquecimento e economia quanto ao consumo do produto mais caro - o "Nó de Pinho";  Cumpre notar, que as reservas de Nó de Pinho encontram-se em fase de esgotamento.  Fatalmente não existirão mais na proxima década.                                        



A   O R I G E M  do  NÓ  de  PINHO

Na chamada MATA ATLÂNTICA, particularmente  nos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Leste de Minas Gerais e Sao Paulo existiam imensos pinheirais do chamado "Pinheiro do Parana" - "Pinheiro brasileiro" - araucaria brasiliensis  ou araucaria angustifolia.
Durante dezenas de séculos a Araucaria povoou as nossas matas.

Imagine : Tais pinheiros chegaram a atingir até 52 metros de altura. Seus troncos chegavam a medir 8,5 metros de cirunferência.  Milhões de árvores no curso dos anos foram caindo, findo o seu ciclo de existencia ou atingidas por raios ou mesmo em consequencia de incendios etc.  Seus troncos voltaram à  terra se desintegraram completamente, exceto os "Nós", que não foram objeto de decomposição. 
. Conservaram-se durante dezenas de séculos debaixo da superficie do solo e atualmente, ao arar a terra, o lavrador ainda encontra "Nós".  Armazenando-os em montículos a fim de obter uma receita adicional. Vende-os para o consumo em lareiras ou carvoarias.

Os assim chamados cônes que contém os pinhões -  as sementes da Araucaria, em verdade não têm forma cônica. Sao redondos como uma bola, medindo aproximadamente  25 a 30 centimetros de diâmetro. Quando maduros, caem espalhando pinhões em abundância e, além de germinarem - propagação natural da espécie, servem de alimento a inúmeros animais e são objeto de consumo também pelo homem. ( Aos indios já servia de alimento, antes do descobrimento do Brasil )

Até meados do século passado, milhares de serrarias exploravam a madeira de pinheiro do Parana, tanto para o consumo interno mas predominantemente para exportação. 
Tal extração descontrolada, exauriu as reservas de Araucárias geradas durante milhares de anos tal qual ocorreu com o "Pau Brasil", logo após o descobrimento.
Hoje a Araucaria é por Lei considerada espécie em extinção.  Cumpre pois reflorestar, não somente com Eucalipto, Pinus etc. ( de consumo imediato ), mas também com a propria Araucária, além da outras especies nativas em extinção, se realmente preocupados com as futuras gerações.

Agro Castanheiras Ltda.  planta anualmente, milhares de Araucarias e centenas de milhares de Palmito Jussara, além de outras especies nativas,  em sua Reserva Florestal no Municipio de São  Paulo.




Nova geração de ARAUCARIAS - Reserva Castanheiras - Plano de Reversão Florestal executado voluntariamente